30 de dezembro de 2009

O rascunho de uma ano... e o esboço de um outro...


Tanta coisa por fazer... tanta coisa para dizer...



............................uma promessa...

dois desejos................


 um ou


 outro capricho!

29 de dezembro de 2009

Depois de ti...



....................................os dias passaram a ser só dias... assim como o bater do coração passou a significar só vida!

O cinzento do céu indica que vai chover... e que pode também trovejar... o sorriso uma alegria não planeada e a queda uma pedra na calçada...

A hora da saída passou a significar sentimento semelhante ao da entrada... a beleza uma mesa de Natal mais ou menos enfeitada... mais ou menos açucarada!

....o perfume na minha pele aroma indecifrável... doce segredo... coisa só minha!

As lágrimas se voltarem a cair não significam mais do que derradeiros momentos de lucidez... o suspirar profundo um indeterminado arrepio para esquecer... a dor nódoa negra ou corte sem querer...

As saudades um qualquer conceito... o beijo cumprimento alternativo ao aperto de mão... os poemas jogos de palavras, as cifras códigos de linguagem....


..... às memórias... sempre que ousem aparecer... peço para ficarem à porta. Não tenho de momento espaço dentro de mim... não quero de momento lembranças de ti!

À noite, já deitada... passo a pedir sono em vez de sonhos... sono em vez de sonhos... sono em vez de sonhos...... sono em vez de sonhos....  sono em vez de sonhos.......... até adormecer e........................................................................................................................................................................ voltar a acordar!


20 de dezembro de 2009

Outro dia...

... mais um dia... mais um dia em que não consegui te esconder de mim.
Vim para casa. Estou agora em casa. Agarrada a mim a mesma quantidade de sentimento desde que em ti me revi...
Não foi um dia fácil... mais um... ainda assim disfarcei. Num acto de desespero ainda chorei.. lagremejei de impotência, incapacidade... chorei comigo própria... chorei de mim...
Trouxe comigo um nó... indefinido... um sentimento que começa a doer...uma sensação de solidão. Perdi-te... e não te consigo substituir! É aqui que percebo tanta coisa e entendo ainda outras mais... 
Tento concentrar-me. Tento abstrair-me... tento esquecer-te... e ao fazê-lo começo de novo a chorar. Porque não te quero esquecer... não sinto que o deva fazer...

Perdida... "conto-te" a alguém. Confesso que a mulher que há em mim decidiu ir de fim-de-semana e deixou-me ali, assim... abandonada! Confesso que as defesas que a vida me ensinara desapareceram e nada mais pareço do que uma adolescente de coraçao roubado. Confesso que não me interessa mais nada se o tudo deixara de existir... vou fechar a porta, janelas... vou fechar a sete trancas também a minha mente. És só tu que quero comigo aqui ... nada mais... ninguém mais... 
Do outro lado acabo por receber algum conforto. Do outro lado... querem que parta já... 

....mas parto como se ...  se és o ponto alto do meu dia! Se tremo quando não te vejo... morro de medo quando não estás!


Tenho saudades. Não sei ser indiferente a isso. Tenho muitas saudades... mesmo vendo-te todos os dias...

14 de dezembro de 2009

Sentimentos a descoberto



Gosto de ti pelo que descubro, 
 pelas conversas, pela paixão que transmites, pelo desejo, pelo que pensas ...

Gosto de ti... mais hoje que ontem...
É que Hoje conheço muito mais...

Gosto de ti,
pelo que tens aí dentro
 pelo empenho daquilo que fazes,
 pelas portas que me abres de vez em quando,
pelo bem que me fazes ...


Gosto de ti,
pelos sentimentos que despertas em mim ...

Simplesmente gosto de ti ....

12 de dezembro de 2009

Cá dentro

... sinto que já disse tudo sem o dizer.

 Sinto que aos olhos dos outros

 tudo parece certo estando errado.

 Sinto que aquilo que escolheste é de longe

 o que realmente desejas.

Sinto que a coragem não se arranja...

 ...tem-se!

 Sinto...

... sinto que te amo de olhos fechados!




4 de dezembro de 2009

Sem título...

Era crescente, novo... uma euforia de ver, tocar, sentir, viver... era algo sentido, maior que tudo e melhor que o resto, era algo inexplicável... era...

Talvez não te escreva mais... talvez fique por estas linhas tudo aquilo que senti, sinto... sentirei. Talvez perca uma oportunidade mas ganhe um punhado de aprendizagem... talvez num ou outro momento me  esqueça do sorriso por ter me lembrado de ti... mas talvez também apareça alguém que se dedique a recuperá-lo... a torná-lo num verbo fácil de conjugar... não tão somente no presente do indicativo... como fizeste, mas ainda e também em todos os outros tempos!

Talvez não tenha coragem de voltar àquela "mensagem"... talvez nem a consiga apagar por saber que ainda é a dor daquelas tuas palavras que me faz partir... um pouco mais... e mais... a cada leitura... a segunda apenas... um mês depois...

Talvez um dia acorde e nem sinta mais saudades... talvez a tua mão sobre a minha deixe de transmitir "calor" ... talvez a tua presença venha a ser indiferente... a tua voz tão igual que nem consiguirei mais distingui-la... o teu cheiro banal e a camisa azul bébé da Quebra-Mar muito pouco sensual... talvez nem nunca mais me recorde que tinhas os hábito de desligar-te do mundo quando estavas ao meu lado... de distraídamente desligar o carro num sinal vermelho... talvez me esqueça da profundidade do teu olhar quando me pedias para aquele momento não acabar... das histórias constrúidas a cada momento que passávamos juntos... a lama, a selva... as figuras gregas "estranhas"... talvez tenha sido tudo fruto da nossa imaginação... talvez seja fácil sentirmo-nos na lua, no espaço... rirmos para o vazio e manter o olhar a brilhar... talvez até seja comum as borboletas no estomâgo... a felicidade... fazer das coisas simples terem valor de diamantes... fazer da vida uma joia tão fracamente esculpida...


Talvez a sintonia dos nossos corpos tenha apanhado a frequência errada... talvez aquilo que sentimos um pelo outro não seja nada... talvez o muito tenha sido afinal muito pouco! Talvez sejamos até bem diferentes... talvez o sabor do beijo tenha sido circunstâncial e o arrepio na pele temperamental... talvez eu não consiga amar esse amor prisioneiro que tens por mim... talvez eu não te queira mais por seres assim...

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

1 de dezembro de 2009

Ausência...

... ontem precisei de ti.

Não te tive.

 Hoje preciso de ti...

...não estás!

... amanhã já não sei se me quero lembrar de ti.....................



29 de novembro de 2009

Hoje penso nisto....

O amor é uma coisa encontrada.... nunca uma decisão tomada!




Porto de Abrigo....

... foi há mais ou menos quatro anos que nos vimos pela primeira vez! Não me recordo que roupa trazias... só me lembro que ao contrário de todos os outros, eras o único a estar de pé e com a "cabeça no ar" a ver o que se passava ali naquele instante.

Era a primeira vez que estava a atravessar aquela sala,  o mesmo espaço que viria a ser o meu futuro local de trabalho durante um ano inteiro... dirigiram-me a mim e aos meus colegas para uma sala onde nos iam colocar a par de mais algumas regras (eram tantas... estava com tanto receio).

Nunca tinha falado ao telefone com estranhos... sentia-me uma "menina" acabada de sair do regaço da minha mãe, estava assustada! Olhava ao meu redor e sentia um grande à vontade nas pessoas a trabalhar... parecia que "brincavam" com  sistema... as respostas saiam assertivas. Aos meu olhos tudo me parecia demasiado difícil... mas não era! Saberia-lo daí a alguns meses, quando também eu já "brincava"!

Comecei a estabelecer afinidades... fiquei triste quando a Rita, a colega com quem me dava melhor, decidiu ir embora. Fiquei meio desamparada.... eramos as "manas"... diziam-nos que pareciamos gémeas!

Foi nessa altura que eu e tu começamos a aproximar-nos... percebeste que me sentia desmotivada... foi nesse mesmo momento que te aproximaste e disseste com real força que eu iria conseguir! Acreditaste em mim... até hoje!

Começamos a tornar-nos inseparáveis... liderávamos! As horas de almoço eram de morrer a rir onde eu e tu detinhamos os papéis principais! Ninguém escapava ao nosso escárnio e maldizer... eramos mauzinhos... eramos saudáveis! Nunca me vou esquecer do dia que levei os tennis Miguel Vieira vermelhos. Gozaste tanto que nunca mais os calcei! E do dia que levei a saia branca que denominavas como um pano de cozinha! Estúpido...adoro-te!

Fomos crescendo... lado a lado. A crescer conosco... uma cumplicidade irresistível, um amor de irmãos.

Estamos juntos novamente... o destino assim ditou. Com a pequena diferença de ser tua subordinada. Não foi fácil no início... e ainda hoje quando ao final do dia me tentas fazer compreender que o teu profissionalismo depende da tua imparcialidade... fico resistente. Não quero a tua imparcialidade... os outros querem... eu não! E tu também não...

És o meu melhor amigo. Confiaria a ti a minha alma...

Já temi muito não estar à altura daquilo que és para mim... hoje sei que não tenho que duvidar...desde que seja eu... vais gostar de mim dessa forma! A nossa amizade é isso... sermos tão nós!

Obrigada "toupeira"!

27 de novembro de 2009

Escolher amar...

Eu escolho esconder o amor mas olho para ti a toda a hora...até já decidi ir embora... mas quase chorei sozinha a implorar que não me deixasses ir...
.......e dei por mim a ficar mais um tempo................ por ter a certeza que estás comigo... para ter a certeza que estás comigo....


Diz-me que não sonhei que já passeámos de mão dada... adormecemos juntos, beijámo-nos com carinho, paixão...saudade! Que já viajámos no imaginário um do outro, contemplámos um pôr-do-sol, cantámos no ouvido um do outro e até dançámos em privado... que já escutámos a natureza, tocámos a paixão, avistámos a felicidade...

...já nos abraçámos no intervalo de um qualquer segundo chamado "eternidade", chorámos longe um do outro... já sorrimos por cumplicidade e rimos por simplicidades... já planeámos a nossa viagem, o peixinho à beira-mar, o passeio naquele jardim tão perto de nós... as fotografias que me queres tirar...

 Eu escolho ficar... eu quero ficar porque eu não sinto medo... se tu também cuidares.... e vou onde quiseres ir... porque eu assim escolhi. 

Eu só quero te ajudar a encontrar as coisas que deixaste para trás... ajudar-te a escolher amar... 



25 de novembro de 2009

As Pessoas...

Há pessoas que me irritam! Há pessoas que simplesmente me tiram do sério, me provocam raiva, stresse, nervoso miudinho, ira... A essas pessoas apetece-me pregar-lhes rasteiras quando passam, rir-me da cara delas...  Estou a falar daquelas pessoas que nos deixam mesmo, mesmo, à beira de um ataque de nervos pela sua simples presença, forma de falar, rir, andar... respirar!!!! É que Tudo, e quando digo Tudo é mesmo TUDO... me irrita nelas.


Quase sempre acho que essas pessoas também me detestam. Mas ainda assim um bocadinho menos do quanto eu as detesto a elas tenho quase a certeza (malvadez).



Há pessoas que me causam desconforto. Pessoas em quem não consigo confiar por mais que tente. Por norma são pessoas com quem até me rio, conto anedotas, bebo copos, faço desabafos supérfulos... mas a quem nunca sou capaz de contar a verdade pela inteira, ou dar a conhecer os meus pontos fracos! Esses... aliás, nem sequer existem para essas pessoas. Para uma ou outra asneira que cometemos acabamos sempre por arranjar uma desculpa plausível e fundamentada q.b. Eis a truque! Eis a falsidade consentida...



Há pessoas a quem consigo ler a mente. Não são precisas palavras... gestos, movimentos, desenhos ou cartazes com palavras gordas espalhados pela rua...tudo se sente, tudo é demasiado transparente, verdadeiro... natural e espontâneo... tudo se "lê" nas entrelinhas... se interpreta nos intervalos das palavras e se concretiza em parágrafos ausentes de reticências ou vírgulas mal colocadas...



Para estas últimas... faltam-me quase sempre as palavras...



22 de novembro de 2009

A definição...

Sentes que alguém mexe muito contigo quando essa pessoa te faz arrepiar dos pés à cabeça… te faz rir feito estúpido… e te faz perder a noção do tempo?!

...passas o tempo todo a carregar numa tecla qualquer do telemóvel para ver se tens alguma mensagem nova… e sobretudo se é daquela pessoa que nos últimos tempos te tem assaltado o pensamento?!


Te faz perceber que a sua companhia te diz muito quando ficas até às cinco da manhã na “conversa da treta”… sem te cansar?!



Imagem filme "Paixão Proibida/Silk"

Sinopse
Herve Jancour (Michael Pitt) achava que seria feliz para sempre ao lado da amada Helene (Keira Knightley). Mas estava enganado. A próspera indústria da seda européia é atingida por uma praga, e ele terá que fazer uma perigosa viagem ao Japão para negociar a mercadoria em uma ilha misteriosa e lendária. Sua jornada o levará ao temido barão local, Hara Jubei (Koji Yakusho) - e também à sua concubina, garota misteriosa e dona de uma beleza impressionante. Ela não tem nome. Eles não falam a mesma língua. Mas algo acontece entre os dois que vai mudar a vida de Herve. Por mais que tente, ele não consegue esquecê-la.


Percebes que te vais apaixonar quando não consegues disfarçar o olhar do pormenor do seu sorriso… e ficas ali minutos parado no tempo até alguém te acordar... ou perdes-te na idade e passas a ser tudo aquilo que imaginavas não ser mais capaz...
 

Dás por ti a aceitar que gostas mesmo daquela pessoa quando te preocupas com ela... te imaginas num futuro com ela… utopia quiçá… mas ainda assim a vontade continua lá?!

 

Ficas muito assustado quando sentes um aperto enorme no peito ao perceber que a outra pessoa tem momentos de dúvida e acaba por renunciar aquilo que sente em prol de uma outra coisa… coisa essa que acaba sempre por pesar muito mais… um peso do tempo e um medo de recomeçar...

Começas a acreditar que hà forças do destino às quais não consegues vencer... e por mais que troques o percurso... vai haver sempre alguma paragem durante a viagem em que te vais voltar a perder... seja hoje, amanhã... ou daqui a meses...


Falamos de paixão.........
.....................entendes agora o que é isto?!




19 de novembro de 2009

Significados...

... estou a gostar de ti! Já não é o teu sorriso que me envaidece... a tua atenção especial ou mimos constantes...
... começo a sentir que gosto mesmo de ti! Para além de todo o encanto que possas exercer... não é mais a minha camisa predilecta que trazes vestida que faz sentido... ou o perfume que deixas espalhado pela sala... nesta altura, são já as tuas "caras feias" que idolatro sem querer... a tua estranha forma de me fazer rir... aquele vício em me deixares , assim... "sem jeito"...

... não interessa sequer as músicas que cantas se não mesmo a interpretação que lhes dás... a ruindade de "transgredir" as regras do trânsito.. o teu nervoso pintado a sensatez... os diferentes tons de voz quer estejas alegre, menos alegre ou simplesmente assim assim...

... a distância do olhar quando se quer estar perto, as palavras enroladas de desconexos sinais de pontuação... a vontade de "não falares nada" e ainda assim teres a certeza de nada me passa despercebido... porque afinal... te "leio" sem querer...

... o sinal, os sinais... que mais ninguém vê...

... a curiosidade de um "mais" e o receio de um "menos"...


... ainda são as pequenas coisas vividas a teu lado que me fazem senti-las enormes... os precaminosos percalços que nos atiram à cara que a vida podia ser assim... uma dança constante... quem sabe se agora de início sob o escasso brilho de um quarto minguante... para tão certeiramente numa bonita noite de lua cheia para todo o sempre se enquadrar...

...

8 de novembro de 2009

... o despertar

... Domingo, 12:16minutos, chuva.... local: sofá... pensamento: em local incerto!
Acordei com dores espalhadas por todo o corpo e com vontade de escrever-te pela última vez. Acordei de madrugada, cedo, e tantas outras vezes a meio de uma manhã cinzenta e tristonha. Acordei com a mesma roupa e penteado de ontem embora um pouco mais desconcertados.... acordei com vontade de prolongar o sono. Acordei a detestar a blusa que comprei há dois dias (metade do meu ordenado).... e com vontade de devolvê-la à loja!!!



4 de novembro de 2009

Dor!

Eu já não sei mais qual é a verdadeira cor do céu... se é o azul celeste ou o cinzento intemporal.... não me recordo mais o que simboliza cada passar de estação do ano... se é no Outono que as folhas das árvores caem ou apenas mudam de cor, ou se ainda é no Inverno que o calor se faz sentir... não sei se trabalhamos para ocupar o tempo e amamos para nos magoar... se continuo à espera do comboio no terminal do autocarro...

Se alguém me quiser explicar porque é que te tenho de conjugar no passado se ainda te sinto no presente... esconder-te de mim porque decidiste ir... e se eu também quisesse aprender...
..................................

Será que ninguém entende que ainda tenho as tuas marcas na minha pele... que sinto o aconchego do teu abraço e me perco no sabor dos teus lábios... e agora a olhar-me ao espelho vejo lágrimas quando passo "base" sobre as marcas que deixaste. Como faço se não são tralhas, objectos pessoais ou roupas espalhadas pela casa?! São antes memórias tuas em cada virar de esquina, lembranças do que pareceu um sonho real no qual era actriz principal, menina bonita, conquistadora de corações... para tão repentinamente passar a figurante... adereço de um qualquer cenário onde não tenho sequer o direito de brilhar...

Os momentos, os silêncios entre os olhares, a simplicidade das palavras, a cumplicidade, imaginação.... o rejeitar querendo e a vida a soar a fácil.... tropeçam a cada segundo do meu dia... ainda é a tua respiração que me devolve o ar, me oxigena a mente... me faz sobrevoar o chão tão levemente... o teu perfume... esse...obriga-me a improvisar sempre mais uma daquelas histórias que não são para se contar... perfeição ou perdição... eras... és...serás...

...e agora.... não é revolta... é tristeza, é incapacidade de te olhar de outra forma que não aquela que o destino desenhou! Como eu queria ser transparente neste pesado e grande momento... só para te poder olhar sem a cabeça baixar, admirar-te o dia inteiro sem niguém por perto a culpar-me de te adorar... e como adoro... ao ponto de te aceitar...

Eu sei, sou peça de outro puzzle... e a culpa foi toda minha... fui eu quem te deu o meu coração... 

............................ se ao menos de "roubo" te pudesse culpar...

Onde foram parar as conversas durantes horas a fio, as gargalhadas desmesuradas que me provocas quando pensava ter perdido o jeito de o fazer... e aquelas coisas inexplicáveis a percorrerem-nos o corpo e a alma, para as quais não conseguimos qualquer definição... não quiseste uma explicação... para onde foram...


25 de outubro de 2009

Pensamento

Alguém disse.. e eu assino por baixo:



"As coisas naturais fluem... não é preciso pensar ou forçar!"






Quero...

Longe... ainda é lá bem longe que me sinto bem, que me invado de mim mesma e me converto naquilo que realmente me define. Aprendo a ler-me, a descobrir coisas em mim que julgava nem existirem... a rejeitar todo e qualquer tipo de memória ou pensamento para me concentrar única e exclusivamente no meu Eu...
Gosto do que vejo, do que sinto... transmito...
Sinto um alívio! Não gostar de mim própria seria catastrófico... menos mal, é sinal que me resta ainda alguma sanidade mental!

Suspiro... olho-me bem no fundo, converto-me na minha própria ouvinte e traço as minhas próprias escolhas... faço as minhas psicologias. Opto por auto-medicar-me... sabe-me bem! Sabe-me a coragem!

Pouco a pouco chego a pequenas, mas aconchegantes conclusões! Tomo grandes decisões e dou por mim a delinear um amanhã... um amanhã apenas possível depois de me conhecer. Um amanhã que quero ter a coabitar em mim desde o momento em que me descobri, me aceitei...sim...agora já sei tudo o que quero para mim...

Quero negar cada chamamento teu... não posso permitir que me "ames" nos intervalos da tua vida;
Quero renunciar o amor pela metade... aceitá-lo seria contraprudecente com aquilo que acredito.. eu acredito no Amor;
Quero "contar-me" apenas a mim própria... chego à conclusão que a dor do choro não faz sentido ser partilhada... as lágrimas correm nos olhos de quem sente;
Quero sentir-me primeiro mal para o depois ser menos doloroso... o inverso é sempre o caminho mais fácil, é verdade, mas também o mais sofredor;
Quero abandonar a "vitrine"... as verdadeiras e raras jóias guardam-se nos cofres, poucassão as vezes que se encontram expostas na montra;
Quero acertar as horas... de nada vale andar com o relógio adiantado se no final de contas se continua a chegar atrasado;
Quero... quero continuar a acreditar naquilo que os meus olhos vêem  e o meu coração interpreta.....



21 de outubro de 2009

FOrMaS




Não sei o nome, mas conheço o cheiro, o arrepio na pele e o ciúme a espreitar....

São poucas as formas de poder decifrar...

... só mais tarde, talvez um dia entender, que não são fábulas, são sim meras formas de encantar!

9 de outubro de 2009

LoisLane&Superman


...o sorriso, o olhar, a cumplicidade, o carinho, a imaginação, dedicação... os pormenores!!!

... o pensamento, a intensidade, o nervoso miudinho, a simplicidade, a amizade, o segredo, a paixão...


... a presença, o instinto, a saudade, o sabor, a evasão...


... o AMOR!!!!!!!

6 de outubro de 2009

Eu gosto! Eu faço...

Ás vezes dou por mim a omitir para os outros aquelas coisas que só admitimos gostar para nós mesmos! Tou a referir-me àquelas coisas que adoramos sem saber bem ao certo porquê... aquelas coisas, muitas delas pirosas até, completamente "out", às vezes vergonhosas... mas que no nosso mais profundo íntimo idolatramos com garras e dentes e damos por nós a sorrir baixinho quando deparamos com elas! As coisas!

Lembro-me por exemplo que amo,Delfins! A banda comemorou agora 25 anos e eu que me lembre apenas os vi uma vez ao vivo num espectáculo acústico... mas ainda assim... apesar da "tara" que tenho pelas músicas deles, não me recordo de uma única vez referir nos meus gostos musicais tal banda...

Também me lembro de adorar mexer os dedos dos pés quando me preparo para dormir! Que vício... não consigo estar simplesmente com os dedos estáticos... enquanto o sono não me mobiliza, não há como mantê-los sossegados.. mexe e remexe... faça frio, faça calor...

A digitar no teclado do computador... uma mania feia! Esteja em casa, esteja no trabalho, o conjunto dos meu dedos da mão direita, a forma como os posiciono, não é de facto a mais educada, convenhamos! Faço literalmente um gesto asneirento... e pior... aponto no ecrã da mesma forma e com o meso dedo.. sim.. decadente no mínimo! Marca pessoal, sem dúvida...

Sou romântica e acredito nas histórias de amor típicas dos ecrãs de cinema. Costumo rir-me com os amigos das lamechices dos casais apaixonados que se beijam em público, ironizo com casais de mãos dadas na rua, finjo ser uma total mente "avant-garde" quando na realidade verto lágrimas em tudo quanto é cena sentimental, jura de amor, causa emocional! Pior... acredito quando já devia ter juízo e idade suficiente para perceber que a época de Pedro e Inês ou Romeu e Julieta, já lá vão!

Adoro andar sem roupa pela casa! Completamente à vontade!!! Se há coisa que lido muito bem, é com a minha nudez. Não vejo um escândalo ir à varanda de cuequinhas... hummm... quer dizer... pensando bem, se visse alguma vizinha meio despida numa varanda qualquer, talvez achasse pouco apropriado mas... bem.. adiante!

3 de outubro de 2009

Interpretação...



PS.: (K)



"De repente do riso fez-se o pranto


Silencioso e branco como a bruma


E das bocas unidas fez-se a espuma


E das mãos espalmadas fez-se o espanto.


De repente da calma fez-se o vento


Que dos olhos desfez a última chama


E da paixão fez-se o pressentimento


E do momento imóvel fez-se o drama.


De repente, não mais que de repente


Fez-se de triste o que se fez amante


E de sozinho o que se fez contente.


Fez-se do amigo próximo o distante


Fez-se da vida uma aventura errante


De repente, não mais que de repente."




Vinicius de Moraes


(...)

20 de setembro de 2009

Sem talento...

... deixei de ter capacidade de descrever a intensidade de cada batida do coração ou mesmo de dissecar a estranha condição humana. Nesta altura apetece-me devanear, mergulhar no mais profundo EU e trazer ao de cimo tudo aquilo que escondo... seja saudade, desilusão, revolta ou sofrimento...

Todos os dias, já não espero... obriguei-me a enfrentar as fraquezas do meu dia-a-dia com prolongados silêncios e monólogos rasurados no meu pensamento. Ser racional, tem sido o lema, aceitar a realidade tal e qual como ela é... abster-me de imaginá-la diferente só porque um estúpido egoismo pessoal quer fazer de si maior que tudo o resto...

É verdade que ainda sorrio... com vontade de chorar!

30 de agosto de 2009

Untitled...


...foi! não é mais...
A esta hora continua a ser "doença"... mal interior sem cura... talvez em estado terminal.
É um estar vulnerável a tratamentos que aliviam a dor mas não a matam, que nos devolvem a esperança como ao mesmo tempo nos a tiram quando começam a deixar de ter efeito...
Quero ir...
...estou pronta!
Pode até a dor da partida ser mais forte que toda aquela que já senti... pode o medo voltar e pedir-me para ficar, pode até o destino cancelar esta ida...
Mas ainda assim eu vou...

24 de agosto de 2009

... cena inacabada...

Naquela tarde... o barulho das ondas do mar estava mais distante. As conversas que ouvia soavam a melodias desconhecidas e as cores dos biquinis e toalhas de praia espalhadas pela areia pareciam desfocadas. Era só eu e tu que estavámos ali... eu deitada de olhos fechados e tu de todas as formas e feitios no meu pensamento...
... por instantes, semi-abria os olhos mas ainda era com eles bem cerrados que me fazias feliz. Quis continuar a história, mas quando me dei conta já era muito tarde... no mundo dos outros o sol tinha se posto, a água estava fria e a areia desenhava estranhas formas inventadas pelo vento... na minha cabeça... era como se as luzesse tivessem se apagado e o público abandonado os seus lugares... era o fecho da cortina. O palco que escolhera para mostrar ao mundo aquilo que sentíamos...sinto... acabou por ficar com peça intitulada, uma vez mais, de "cena inacabada"...

19 de agosto de 2009

"SER"

...deixei de ter sonhos!!! Deixei de pensar nas coisas que outrora me atormentavam o coração e me adoeciam a mente. Larguei tudo em prol de um único objectivo... o objectivo de "ser mais eu"...
Já pouco me importa se haverá depois... tanto me faz se é tarde ou é cedo, se a lua cresce ou mingua, se foi nos vértices de um triângulo onde quase te encontrei.
importa-me agora apenas a intensidade do bater do coração, o deslizar do meu sorriso quando me apertas a mão, a vontade de me teres sem que te peça para estares!
A vida é mesmo assim... feita de escolhas, contrastes e até imprecisões.
A minha escolha foste tu...

6 de agosto de 2009

Evasão


Pode ser da mente
Pode ser do jeito
Pode até nem ser de nada mesmo...
Só sei que cada vez que olho vejo vazio
Que ainda é no adormecer que encontro o conforto
Que tudo pode bem ser nada
E que no final de contas a verdade... aquela que sempre procuramos
nem sempre precisa de ser "dita"
É que afinal... na maior parte das vezes ela só precisa mesmo de ser interpretada...

6 de julho de 2009

Tempo vazio...




Olho para este banco vazio...tudo o que vejo resume-se a abandono. Arranjo mil e uma explicações para entender porque ninguém lá se senta! Se é por estar velho, por não ter sombra ou por estar no local errado. Não entendo... e permaneço na dúvida.


As vezes sinto-me como aquele banco... vazia!

2 de julho de 2009

trechos inacabados...

... desejei ser conquistada pela brisa do mar quando o sol já era fraco, desejei violar as regras do jogo para passar na eliminatória... cedi-te um lugar no meu coração quando já tinhas morada....

10 de junho de 2009

Hoje vou falar sobre mim... não dizendo absolutamente nada!

Estou a ouvir James Morrison - "You give me something", à qual no link abaixo podem aceder... não posso dizer que é uma canção estupenda ou que tem o ritmo e melodia certos, até porque aquilo que me faz ouvi-la não se prende com miniciosidades técnicas... eu diria que se trata mais de uma qualquer afinidade momentânea, sem precedentes...

Por falar em afinidades momentâneas... é ridículo, mas penso que esse estranho sentimento escolheu a minha pessoa para lá habitar. O certo é que não lhe renunciei morada e quanto a isso, nada a fazer. Já o velho ditado diz que quem cala, consente!

Sou romântica. Nem sempre, mas quase sempre. Sou insegura. Uma luta eminente. Sou tolerante. Uma constante aprendizagem...

Tenho 28 anos. A minha mãe já anda a dizer há dois anos que tenho quase trinta... uma querida convenhamos. Tenho a certeza que está apenas a preparar-me para as vicissitudes da vida, aliás, como tão carinhosamente sempre o soube fazer... assim quando lá chegar, o choque será menor, espero.

Estou sozinha. É véspera de feriado. Optei por recolher-me em casa. Cansada? Nem por isso... pelo menos fisicamente. Vá, mas não me quero queixar... estar sozinha é óptimo. E sem ninguém em casa, melhor ainda. Ok... sai mais um ditado: "O hábito faz o monge", nem mais nem menos! Neste caso, o hábito, torna-se na mentira consentida.

Feliz? Momentaneamente. Forte? Cada vez mais...





8 de junho de 2009

Always Something...

You only stay with me in the morning
You only hold me when I sleep,
I was meant to tread the water
Now I've gotten into deep
For every piece of me that wants you
Another piece backs away.
'Cause you give me something
That makes me scared, alright,
This could be nothing
But I'm willing to give it a try,
Please give me something
'Cause someday
I might know my heart.
You already waited up for hours
Just to spend a little time alone with me,
And I can say
I've never bought you flowers
I can't work out what they mean,
I never thought that
I'd love someone,
That was someone else's dream.
'Cause you give me something
That makes me scared, alright,
This could be nothing
But I'm willing to give it a try,
Please give me something,
'Cause someday
I might call you from my heart,
But it might be a second too late,
And the words I could never say
Gonna come out anyway.
'Cause you give me something
That makes me scared, alright,
This could be nothing
But I'm willing to give it a try,
Please give me something,
'Cause you give me something
That makes me scared, alright,
This could be nothing
But I'm willing to give it a try,
Please give me something
'Cause someday
I might know my heart.
Know my heart, know my heart, know my heart

21 de maio de 2009

Capítulos relidos...

Não tenho andado lá muito inspirada, não sei se por andar cansada da rotina, se na verdade, por a realidade interior nem sempre ajudar.
Confesso que não são poucas as vezes que venho até aqui... mas poucas são as vezes que passo dos títulos ambíguos... e quase sempre omissos de significado para a maior parte das pessoas...
Nesses dias... quase sempre... viajo... uma viagem com bilhete só de ida. Lá bem longe e distante, é quando melhor me observo! Páginas tantas dou por mim a folhear o meu próprio livro... que admitamos.. ainda não passa de uma compilação pequena de pequenas histórias mas das quais.. sempre... há uma lição a retirar.
Por entre sublinhados e pequenas notas de rodapé... dou por mim a trocar algumas palavras... a enfatizar frases... mas nunca a tirar-lhes o conteúdo. Escrever-me é o meu vício, estou quase certa disso...
Ps: E tal como a canção diz... "Eu gosta da forma como amas... mas odeio a forma como o faço!"

17 de maio de 2009

Devaneios da Loucura

Tem dias em que tudo em mim é tão revoltante que chego a duvidar da minha própria sanidade mental...
Em que o sofrimento que trago silenciado dentro de mim me esfaqueia de forma tão atroz capaz até de me fazer sangrar a alma...
Tem dias em que me viro do avesso só para provar a mim mesma de que sou capaz de ser tudo aquilo que nunca quis ser...
E dias em que abafo de tal forma o choro, que quando dou por mim a querer chorar nem o sei já fazer
Só não há dias em que me esqueça como os teus beijos me fazem perder de prazer... como os nossos corpos se entregam desalmadamente... como no teu abraço me enfraqueço e no teu olhar me revejo...
Só não há dias em que me esqueça como estou envolvida nesta coisa sem nome nem dedicação, sem paleio ou qualquer razão...
E se um dia... me ouvires gritar... não penses que é contigo que estou a ralhar...
A culpa não está em ti, está em não conseguir decifrar... esta reacção química que há em NóS e que aos poucos me está a mutilar

Untitled...

6 de maio de 2009

Isto ainda não é bem um espectáculo!!!

Hummm como sabe bem este cheirinho a verão.....
Pra começar, é tão boooom andar descalça pela casa sem me preocupar se o chão pode representar uma constipação na certa, abrir a janela para deixar entrar os primeiros raios de sol do dia e espreguiçar-me para a vizinha da frente que não faz a mínima ideia quem sou eu!!!

Melhor ainda é vestir um qualquer vestido de verão, blusa ou camiseiro consoante a situação claro está... e sair de casa livre de pensamentos se irá fazer frio ou se o tempo irá nos atraiçoar. Simplesmente NÃO! Essas coisas não acontecem no Verão... (sorrisoooo grandiosoooo)!

Adoro o verão, já deve ter dado para perceber. Andar entupida de camisolas e camisolinhas, mais cachecois e casacos e ainda outros tantos adereços.... fazem-me perder a cabeçaaaa de tédio!
mas compreendo as mulheres que preferem o frio ao calor... sobretudo porque as tunicas e tecidos embrulhados no nosso corpo sempre dão para causar boa impressão e disfarçar coisas que não gostamos que sejam vistas!

Bom.. mas esta lenga lenga toda tem um sentido... que passo a explicar:

É que hoje uma pessoa que gentilmente me levou a almoçar explicou-me uma série de situações que os homens detestam.... e... acreditem ou não, ele diz-me que quando as bocas masculinas dizem que preferem "as autênticas" não se referem a caras lavadas, pãozinhos sem sal ou meninas prodígio!!!

A autenticidade de que tanto falam... refere-se a uma coisa muito simples: a que as mulheres sejam elas mesmas!

Significa isto que não vale a pena vestir um numero de calças abaixo para parecer mais elegante quando isso só vai provocar má circulação... para já não falar do excesso de "pele" que salta à vista por debaixo da blusa, também essa ligeiramente estreita.

Não vale a pena refugiarmo-nos em calças SALSA (todas elas nos fazem um rabo extraordinário), quando eles próprios já perceberam que quando a forma sai... das duas uma... ou a coisa está bem cozinhada digamos assim... e não se desmancha... ou caso contrário a desilusão vai ser muito maior quando perceber que foi enganado!!!

E atenção: ELES detestam ser enganados!

Bem sei que a aparência é muito importante, que as modas são um vício e temos a mania de querer vestir qualquer coisa só porque fica bem a esta ou àquela fulana mas... não vão nisso!!! Acreditem! Sejam vocês próprias... e qualquer coisa ficar-vos-á a matar!

Digo isto após comentários de amigos, ou homens, caso assim fique mais perceptível, sobre mulheres que os levaram a babar quando estavam vestidas... mas que os fizeram inventar as mais horrorosas desculpas na hora "H", e fugirem a sete pés!!! Bom, que são imaginativos e criativos já todas sabemos, convenhamos.

E aproveitando-me do comentário de um deles sobre a sua mais recente desilusão de "engatanço".... é que como ele diz....

"aquilo ali ainda não era bem um espectáculo"!


Venha a próxima!!!!!

29 de abril de 2009

PUZZLE


Pode ser perfeito.... completo... fácil, perfeita construção ou tão somente alguma actividade que nos ajuda a relaxar e a distrair...
Pode ser complexo, difícil, abstrato e ausente de significado...
Pode transparecer beleza, união, sintonia, pecado ou qualquer coisa semelhante a autênticos pólos de atracção....
Pode exigir esforço, raciocínio, inteligência.... talvez muita e ponderada reflexão...
Pode parecer vulgar, habitual, imitação.... um qualquer objecto de decoração...
Pode ter significado, sentimento, valor pessoal... paixão visual...
Pode ser o que QUISERMOS que seja!

28 de abril de 2009

Sonho de coração apertado

Aos poucos dei por mim a ter-te comigo todas as noites... na mente, no coração, na memória.
Noites de prazer e vontade de na hora imediatamente seguinte te voltar a ter....
Comecei a desejar isso... e agora sonho... devagar mas sonho...

Sonho com o coração partido... onde acordar é a parte mais difícil. Tento não abrir logo os olhos para não encarar de vez a realidade que é não estares ali... ainda te peço para ficares mas mesmo assim vais embora... porque ali não é o teu lugar.

Tento adormecer imediatamente a seguir à tua partida para esquecer, mas passo horas e horas a rebolar por entre os lençóis.

Ouço o vento do lado de fora que em forma de assobio me alerta de que desistir é a parte mais difícil...
É que afinal, tenho o coração partido mas ainda assim continuo a sonhar....

......HOLD ME NOW.......

Used to think that I wasn't strong enough
Too afraid of really falling in love
Something told me I could let go with you
And that's how I made my decision to give it a try
I remember smiling the day we met
You were nervous cause you didn't know me yet
Glad I took the time to get close to you
Cause I knew that it would be something I needed to do
So please, hold me now
Cause we've only got tonight
So, hold me now (now, now)
I don't want to think that I was wrong
'Bout what I found
So, hold me now
Now that I've given you all of myself (all of myself)
Need to know it's me and nobody else (nobody else)
Need to know the choice that we made is real (so real)
And that you are feeling the same way, the way that I feel
My emotions making it hard for me (hard for me)
Got me so into you I can hardly breathe (hardly breathe)
My heart is pounding wishing you'd let me know (let me know)
Now that I've let you have me, you wont let me go
So please, hold me now (hold me now)
Cause we've only got tonight (only got tonight)
So, hold me now (now, now)
I don't want to think that I was wrong
'Bout what I found
So, hold me now
Baby, in your arms (in your arms)
Is the only place I feel I belong tonight (tonight)
So, hold me (hold me)
Cause who knows what might happen after tonight
And I'm hoping this was right
So please, hold me now (please, hold me now)
Cause we've only got tonight
So, hold me now (now, now)
I don't want to think that I was wrong (I don't want to be thinking, I made the wrong decision)
'Bout what I found (so hold me)
So, hold me now (just hold me)
Please, hold me now (I need you to hold me)
Cause we've only got tonight (just one night only)
So, hold me now (baby won't you hold me now)
(now, now)
I don't want to think that I was wrong
'Bout what I found (so want you to hold me)
So, hold me now (just hold me now)
Please, hold me now
Cause we've only got tonight
Please, hold me now (hold me now)
Cause we've only got tonight
(hold me now)

22 de abril de 2009

Lugar comum

Nunca mais me chamaste de amor
Onde foram parar as estranhas formas de carinho que me davas quando sentias saudades... para onde foram diz-me?!
Questiono-me o que estás a sentir agora...
Diz-me que ainda gostas do meu toque... do arrepio suave que te provoco.
Estou com vontade de me ir embora... mas ainda assim fico aqui meio escondida a ver-te ir.... não me digas para ficar, pode ser tão perigoso....
Deixa-me olhar para ti. Gosto da forma como sorris, me agarras, me prometes amar aqui, ali ou em lado nenhum...
Qual vai ser o dia em que decides levar-me a passear pela calçada... a ouvir as estrelas no aconchego da lua...
Quero nesse dia ver-te descontraidamente a sorrir no vazio....
Tão solto... tão feliz!
... sinto-me tentada a ir lá buscar os mais temíveis segredos... segredos povilhados de feitiço... magia ou alucinação!
Diz-me que é o que vês em mim também... uma mistura fina... coberta de sensação... sensações.... tão comuns... tão repetidas... mas ainda assim... tão desiguais!

20 de abril de 2009

Eu não sei...

Não sei se grito se me calo neste instante... não sei se consinto esta dor ou se faço algo para a "estancar"... não sei se deixo revelar toda esta revolta que trago dentro de mim ou se a ignoro como se ela jamais existisse.... não sei se largo tudo neste minuto ou tento ser cordial comigo mesma... eu já não sei se vale a pena tentar SER.... mesmo que a vida nãpo páre de me lembrar que não passo de uma tentativa de sucesso num milhão...
Só sei que o céu está cada vez mais longe de alcançar e ainda assim teimo em olhar para ele... que apesar de manter os pés bem assentes no chão não páro de tropeçar e me ferir! Sei também que tudo o que hoje sou, foi tudo aquilo que sempre colhi e que não há PAI que me valha a não ser eu própria a gritar para o mundo e dizer que já chega de fazer troça de mim!

16 de abril de 2009

nOTA nEGATIVA

Hoje convidei-te pa almoçares comigo. Respondeste prontamente que não podias... uma resposta... de resto, tão típicamente tua!
Fazes-me lembrar aquelas perguntas onde erramos sempre!!! E o que me assusta é que continuo a errar a resposta... por preguiça de a ter estudado... por dar trabalho a respondê-la da forma como tu a queres ver respondida.
Ainda assim, teimo em ver-te como a minha matéria preferida quando já devia ter percebido que nunca vou passar à cadeira. Uma perda de tempo! Já para não falar das propinas altas que vou pagar... para no final... com um mero diploma ficar...

13 de abril de 2009

Os meus Eus!

Eu e a minha mãe amamo-nos à nossa maneira. Nem uma nem outra é muito chegada a abraços e beijinhos... somos alegres, bem humoradas, gostamos de ver os outros a dobrarem-se às gargalhadas com as nossas "saídas e sobretudo somos... "sócias" da humildade e autênticidade! As outras filhas dizem que saí a Ela... conversadora, brincalhona, a "RP" da família, vaidosa, ciumenta, acolhedora e sem jeito para disfarçar... e eu temo que dizem a verdade.. uma verdade que me orgulha, saliente-se!
Mas há um outro lado em mim... e esse lado estão mo sempre a lembrar... que sai ao meu pai! Fria, indiferente à dor (aos olhos dos outros), distante, que gosta de se isolar por vezes...

Estes dois lados que partilho são extremos eu sei... coabitam em mim em momentos diferentes e fazem muita vez as pessoas pensarem que padeço de bipolarismo!!! Quem me conhece... tem o estranho hábito de me dizer coisas tão estapufurdias como: "Ah hoje estou a falar com a loislane embebida de valores" ou "Ainda bem que me ajusto bem ao teu estado de espírito... caso contrário já me tinha chateado a sério"!

Eu própria... gosto de ser assim, admito! O facto de me assemelhar a um autêntico "dois em um" tem as suas vantagens, convenhamos! Ora vejam:

1- Nenhum homem à minha beira pode um dia queixar-se de monotomia!!! Com as minhas variações de personalidade... pode ser caso para dizer-se que um dia louca na cama, outro dia uma lady na mesa;

2- Aos que ousarem descrever-me perante um acto isolado... cairão no rídículo aos olhos de muito boa gente. O mais provável é haverem opiniões acerca da minha pessoa tão díspares que será difícil chegar a conclusão alguma (hihiihi);

3 - Agradamos a TODA A GENTE. Talvez por isso muitas cartas astrológicas defendam que é difícil não se apaixonarem por nós! (mts risos);

4 - Adaptamonos com facilidade aos diferentes ambientes. Óptimo!!! Assim diversão... é patente certa!!!

E agora, em jeito de resposta aos que nos apontam como FALSOS, eu respondo em primeira pessoa: "AO INVÉS DE SE CONCENTRAREM NOS NOSSSO LÁBIOS... EXPERIMENTEM "APRENDER-NOS" ATRAVÉS DO OLHAR"...........................